Um ensaio sobre as partes diacrônicas da existência

 

“O óbvio cega! Há essa barreira óbvia e intransponível que é a mente do outro. A ti são oferecidas muitas veias de água, mas não o caminho exato pelo qual eu desaguei no mar. No pequeno mundo destes textos alusivos reside um mundo muito maior que considera todo o traçado das minhas experiências; o ser é construído em estágios, mas os estágios não são o ser em-si, de modo que a energia que me utilizou para escrever estas coisas se transforma a cada instante e o que eu disse num momento não impõe uma forma de pensamento inflexível para todos os outros momentos que estão e que serão. A interpretação que concebi anteriormente sobre algo pode não ser a mesma que me move agora, mas isso de forma alguma invalida o objetivo desta transmissão de aprendizados. O objetivo se firma na essência, e a essência é aquilo que alimenta todos os caminhos.”

 

Disponível em livro físico:

Livro Digital:

 

 

Compartilhe :

2 comentários em “Como folha seca empurrando a morosidade do Tempo”

  1. Terminei de ler teu livro agora a pouco. A leitura é maravilhosa! É simples, sensível, profundo, leve e te incita a continuar lendo. É necessário alguns minutos de reflexão para captar as mensagens nas entrelinhas. A experiência que tive ao ler o texto bem escrito em voz alta é igual a ler uma poesia. Adorei ♡

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!